Plano de Saúde Curitiba PR
  • Whatsapp: (41) 99692-1000
  • Telefone: (41) 4101-1000

Noticias. e. Novidades

Trabalho de parto

Ruptura prematura de membranas

RUPTURA PREMATURA DE MEMBRANAS
As membranas que possuem fluido amniótico (a água que envolve o bebê) rompem geralmente no final da primeira fase do trabalho de parto. No entanto, em cerca de 10% das gestações, após 37 semanas as membranas rompem antes do trabalho de parto. Isto é chamado de ruptura prematura das membranas (RPM). Essa é a diferença da rotura prematura de membranas pré-termo (RPM-PT), que é quando as membranas rompem antes das 37 semanas.
POR QUE ISSO ACONTECE?
Na maioria dos casos de RPM a causa é desconhecida. Acredita-se que alguns casos são por:

  • Infecções uterinas ou do trato genital, incluindo doenças sexualmente transmissíveis
  • Má alimentação
  •  Alongamento excessivo do útero e saco amniótico, o que às vezes ocorre com múltiplos fetos ou excesso de líquido amniótico (hydrâmnio).
  • Tabagismo
  •  Aumento da suscetibilidade se isso tiver ocorrido em gestações anteriores
  •  Cirurgia cervical anterior, incluindo biópsias em cone ou sutura de cerclagem para manter o colo do útero fechado
A maioria das mulheres cujas membranas romperam antes do parto não tem um fator de risco.
COMO POSSO SABER SE TENHO O PROBLEMA?
O sintoma mais importante da RPM é o vazamento de fluido pela vagina. Pode vazar lentamente ou pode jorrar. Às vezes, quando vaza lentamente, as mulheres confundem com urina. Apesar de alguns fluidos serem perdidos quando as membranas rompem, o bebê continua a produzir mais, por isso pode continuar a vazar.
Se você suspeitar de RPM, é muito importante entrar em contato com seu médico imediatamente para ter cuidados médicos adequados para você e para seu bebê. Exames para confirmar o diagnóstico de RPM incluem histórico médico, exame físico, laboratoriais e exame de espéculo vaginal estéril para a presença de um conjunto de líquido amniótico na vagina.
O QUE VAI ACONTECER?
Se o seu médico confirmar que as suas membranas se romperam, provavelmente você será internada no hospital até o bebê nascer. Se a sua gravidez tiver passado as 37 semanas, o seu bebê está pronto para nascer e é só uma questão de tempo até você entrar em trabalho de parto. Você pode esperar até que você entre em trabalho de parto por conta própria, ou iniciar a medicação para estimular as contrações a começarem mais cedo. Estudos sugerem que as mulheres que têm o trabalho de parto induzido são menos propensas a desenvolverem uma infecção no útero do que aquelas que esperam o trabalho começar naturalmente. Muitos médicos irão recomendar medicamentos indutores de trabalho de parto se você não entrar em trabalho por conta própria depois de poucas horas.
Se você estiver entre 34 e 37 semanas quando os seus fluidos se romperem, frequentemente os médicos vão em frente e induzem o parto. Acredita-se que o risco de infecção é maior do que os riscos de o seu bebê nascer algumas semanas de antecedência.
Se for antes de 34 semanas, a situação torna-se mais complexa. Se não houver sinais de infecção, o médico pode tentar atrasar o parto com medicação até que os pulmões do bebê estejam mais maduros. Normalmente, antibióticos são administrados. Esteroides são utilizados frequentemente para ajudar os pulmões do bebê a se desenvolverem mais rápido. Você e seu bebê serão hospitalizados e monitorados cuidadosamente. O seu médico também pode coletar uma amostra de líquido e analisá-lo para ver se os pulmões do bebê estão maduros. Se eles estiverem, o parto será induzido.
A chave para entender a RPM-PT (rotura prematura de membranas pré-termo) é esta: A única coisa mais preocupante do que um bebê prematuro é um bebê prematuro com uma infecção. Idealmente, os médicos querem que o seu bebê nasça na hora antes de o seu útero e bebê se infectarem, e isso é impossível de prever. Sem uma bola de cristal, eles contarão com sutis sinais de infecção ou alterações nos exames do seu bebê para decidir quando é a hora de ele nascer.
Aproximadamente 11% dos bebês nos EUA nascem prematuramente, e 3 a 4% deles devem-se à RPM-PT. Quanto mais cedo na gravidez que a RPM-PT ocorrer, maior o risco de potenciais problemas. Se o hospital em que você estiver não tiver um berçário para prematuros, você provavelmente será transferida para um hospital com unidade de terapia intensiva neonatal. Apesar de pouco frequente, mesmo com assistência médica adequada, há um pequeno aumento do risco de parto de natimorto com RPM-PT prematura.
Fonte: http://www.cuidadosmil.com.br/artigo/91_000143/

Planos de Saúde e Odontológicos que cabem no seu Bolso ;)